Mortalidad Materna

A mortalidade materna, definida como a morte da mulher durante a gravidez, trabalho de parto, ou após 42 dias do parto continua sendo uma questão extremamente importante no mundo. Os números são preocupantes para aqueles que, como nós, utilizam ou trabalham com a Obstetrícia em países onde esse procedimento é considerado seguro. A UNICEF divulgou que o risco de morte para as mulheres grávidas nos Estados Unidos é de um em cada 4.800 gestantes. No Afeganistão, Nigéria, Serra Leoa é de um a cada oito gestantes.

É preocupante considerar que a gravidez ainda compromete a vida de tantas mulheres no mundo. Visualize o conteúdo do relatório da UNICEF em relação ao risco de morte na gravidez e como esses números são alarmantes em diversos países no mundo, especialmente na África e na Ásia.
(http://www.childinfo.org/maternal_mortality_countrydata.php).

No final dos anos 80, uma ação específica para esse episódio foi estabelecida através do programa “Iniciativa de Segurança Materna”, onde várias ações de saúde pública foram realizadas para fazer com que a gravidez pudesse ser considerada um risco menor para as mulheres.

O aumento ao acesso da obstetrícia moderna, incluindo a cesariana, o misoprostol para hemorragia pós-parto, a terapia para o HIV, o aumento do conhecimento e a disponibilidade de métodos contraceptivos, e o aborto seguro, permitiram uma melhora nas questões relativas ao risco na gravidez.

Um estudo recente publicado na Lancet (http://press.thelancet.com/mmm.pdf) conduziu a uma importante análise do progresso internacional para “objetivos de desenvolvimento do milênio”, com estimativa de redução de 5 a 75% no índice de mortalidade materna no mundo até 2015.

A análise do banco de dados envolve 181 países e foi conduzida para divulgar o impacto das ações públicas de intervenção até o período. Uma análise bastante minuciosa com métodos estatísticos complexos foi utilizada para garantir a segurança desses dados.

Dos 181 países, 23 estão caminhando para cumprir com os “objetivos de desenvolvimento do milênio”. Ao mesmo tempo, é evidente, pelos dados, o progresso substancial da saúde materna mundial. Os autores identificaram quatro questões mais evidentes relacionadas a mortalidade materna que estão contribuindo para uma melhoria dos números, internacionalmente. A primeira delas é a queda da taxa de fertilidade, quando comparado com o aumento do número de mulheres na idade reprodutiva. Isso, muito provavelmente é ocasionado pelos esforços em relação a informação e a disponibilidade de métodos contraceptivos. Em segundo lugar, pode-se destacar o aumento da renda, que contribui diretamente para o bem estar materno, especialmente na Ásia e na América Latina. A atenção e a educação básica de saúde com acompanhamento de pessoal especializado durante o parto, também são motivos de destaque pelos dados.
Com a diminuição da epidemia de HIV são esperados progressos substanciais nesses números.

Esse artigo foi originalmente publicado na revista Medscape from WebMD, http://www.medscape.com/medscapetoday.

A INTERCIENTIFICA colabora indiretamente para a melhoria desses números, oferecendo ao mercado de saúde pública e privada produtos que permitem melhor acesso e condição para identificação de Doenças Infecciosas importantes de maneira rápida, simultânea e precisa.

Para mais informações sobre os produtos oferecidos para os Programas de Triagem Pré-natal, por favor consulte www.intercientifica.com.br ou entre em contato pelo e-mail ic@intercientifica.com.br ou pelo telefone (12) 3949-9700.